Futebol

14 setembro 2022, 23h38

Festejos do 1-2 apontado por Neres

RESUMO DO JOGO

Épica, histórica e com muita personalidade! Assim foram a exibição e a vitória do Benfica no Estádio Juventus, por 1-2, em jogo da 2.ª jornada do grupo H da Liga dos Campeões. João Mário (grande penalidade) e Neres faturaram para o Glorioso; Milik marcou para a Juventus. Encarnados lideram – ex-aequo com o PSG – a classificação, com seis pontos.

Duas equipas com mudanças nos respetivos onzes em comparação com a última partida. Do jogo com o Famalicão, Roger Schmidt mudou três nomes: Bah, João Mário e Gonçalo Ramos, nos lugares de Gilberto, Draxler e Musa. Repetiu, ainda assim, o onze que se estreou nesta edição da Champions League com o Maccabi Haifa. A Juventus, face ao jogo com a Salernitana, fez entrar de início Danilo e Milik, deixando de fora De Sciglio e Moise Kean.

Entrada mais forte dos da casa no Estádio Juventus. O Benfica, fiel ao seu ADN, subiu as linhas de pressão para não permitir a saída dos italianos com a bola controlada, mas a primeira zona de pressão estava a ser ultrapassada, os duelos individuais perdidos e, sobretudo a partir dos corredores laterais, chegava o perigo à área encarnada.

Bah

O Benfica demorava a encontrar-se e aos 4' teve o primeiro contratempo. Livre na direita do ataque apontado por Paredes e, na zona do primeiro poste, Milik fugiu à marcação e cabeceou para o 1-0. Na frente do resultado, a Juventus ficou ainda mais confortável em contraste com uma turma encarnada que não tinha as referências e os timings de pressão. Aos 10', nova oportunidade para os bianconeri. Lance de insistência, Cuadrado cruzou na direita e Kostic, de primeira, a rematar cruzado e ao lado.

Com os minutos a passarem, o Benfica assentou o seu futebol, soltou-se, tomou as rédeas e tornou-se dono da bola para… nunca mais o deixar de ser em Turim, sustentando, assim, uma noite europeia épica, memorável e com uma classe ímpar!

Enzo

O primeiro "cheirinho" de uma águia imperial foi aos 20'. Jogada de envolvimento do corredor central para o flanco direito, cruzamento de Bah e Rafa a ver o seu remate bloqueado por Bonucci. Pontapé de canto para o Benfica apontado de forma estudada e Gonçalo Ramos a cabecear por cima (21'). Nesta altura, Itália já via um conjunto encarnado com muita personalidade, a controlar as incidências com bola. Faltava uma verdadeira oportunidade de golo e ela apareceu aos 27'. Cruzamento de Neres e Gonçalo Ramos, nas costas de Bonucci, com tudo para empatar a partida, cabeceou à figura de Perin.

A equipa sentia que podia surpreender no reduto da Juventus e, aos 36', após uma triangulação rendilhada perto da área transalpina, Gonçalo Ramos recebeu o esférico, virou-se para a baliza e rematou para Perin encaixar. Só dava Benfica no final da 1.ª parte e o golo ficou a centímetros aos 39'. Contra-ataque conduzido por Rafa, com o 27, à entrada da área, a atirar ao poste. Não foi aqui, foi pouco depois. Aos 42', Miretti fez grande penalidade ao pisar Gonçalo Ramos na grande área. O VAR deu indicação, o árbitro Felix Zawyer assinalou o castigo máximo e João Mário, na marca dos 11 metros, não perdoou. Era o 1-1, aos 43'.

Juventus-Benfica

O intervalo chegou com igualdade no marcador, mas com os encarnados por cima, com 51% de posse de bola, com nove remates contra seis da Juventus (três na baliza contra um) e 27 ataques perigosos contra 23.

Filme do jogo

Ver mais ›

Para a etapa complementar, as equipas regressaram sem alterações. O primeiro remate pertenceu às águias por Bah, aos 47', mas a primeira oportunidade de golo foi da Juventus, num tiro de Milik, que ainda resvalou em João Mário e quase traiu Odysseas (50').

Juventus-Benfica

Animavam-se os adeptos da casa, tentando responder ao constante apoio que os milhares de Benfiquistas ofereceram à equipa ao longo dos 90 minutos. Aos 55', o Benfica consumou a reviravolta por Neres. A jogada começou em Enzo, que aguentou a carga, deixou em Gonçalo Ramos, este furou, a bola ficou à mercê de Rafa, que atirou para defesa de Perin, e, na recarga, o brasileiro atirou a contar. Festa encarnada em Turim e 1-2 no marcador.

A perder, Massimiliano Allegri começou a mexer na equipa, lançando, até ao fim do desafio, De Sciglio, Di María – que veio mexer com a partida –, Moise Kean e Fagioli. Todavia, o Benfica estava por cima – do resultado e do jogo – e confiante, e aos 60', Bah, em boa posição, viu o seu remate desviado por Bonucci. Volvidos três minutos, aos 63', momento de belo futebol das águias, numa grande jogada coletiva que teve Enzo, Neres, Gonçalo Ramos e Rafa como intervenientes, com o último a obrigar Perin a aplicar-se.

Adeptos

Aos 71', a Vecchia Signora assustou. Cruzamento-remate de Moise Kean com a bola (raspou em António Silva) a bater no poste da baliza encarnada. Após este lance, Roger Schmidt mexeu algumas peças. Saíram Enzo, Gonçalo Ramos, Neres, Rafa e João Mário; foram lançados a jogo Aursnes, Musa, Chiquinho, Diogo Gonçalves e Draxler. A fechar, aos 87', Di María, com um passe açucarado, deixou Bremer na cara do golo, mas o defesa brasileiro, perante Odysseas, atirou muito por cima.

O jogo da 2.ª jornada do grupo H terminou no Estádio Juventus com vitória do Benfica, por 1-2, que, assim, soma seis pontos na classificação. Destaque, igualmente, em termos estatísticos, para a passe de bola (54% do Benfica contra 46% da Juventus), os remates (19 contra 12), remates na baliza (sete contra três), cantos (11 contra quatro), passes (528 contra 412), bolas recuperadas (49 contra 43) e ataques (62 contra 46)... Os encarnados vincaram o seu poderio!

Juventus-Benfica

Os comandados por Roger Schmidt viram-se agora para a Liga Bwin e para o Benfica-Marítimo, da 7.ª jornada, marcado para as 18h00 de domingo, no Estádio da Luz.

Texto: Marco Rebelo
Fotos: João Paulo Trindade / SL Benfica
Última atualização: 14 de setembro de 2022

Patrocinadores principais do Futebol


Relacionadas

Utilizamos cookies para enriquecer a sua experiência de navegação.
Ao continuar a navegar no nosso site está a concordar com a nossa política de utilização de cookies.

Aceitar