Futebol

15 maio 2021, 23h50

Mais um golo do Benfica festejado

RESUMO DO JOGO

Um dérbi com sete golos tinha de ter público e bancadas transbordantes! Ao cair da tarde de sábado no Estádio da Luz, o Benfica bateu o Sporting por 4-3 na 33.ª jornada da Liga NOS, impôs assim a primeira derrota ao rival na prova em 2020/21 e está a somente uma vitória de ser a melhor equipa na segunda volta do Campeonato.

Seguro, sólido e assertivo sem bola em quase toda a primeira parte; dinâmico na circulação, criativo na procura de soluções e eficaz na zona de finalização. O Benfica parou o Sporting na etapa inicial do dérbi, mas não se deixou travar. Arrumado taticamente em 3x4x3, o coletivo encarnado registou o regresso de seis elementos à titularidade: Diogo Gonçalves, Vertonghen, Grimaldo, Taarabt, Pizzi e Everton.

Dérbi

As águias ensaiaram um, dois, três ataques apontados à baliza... e ao minuto 12 recortaram o lance do golo inaugural. Pizzi descobriu uma linha para lançar Seferovic, este isolou-se pelo eixo e, perante a saída de Adán, picou a bola sobre o guarda-redes. Nuno Mendes ainda foi lá de carrinho, mas o 1-0 era certo na Catedral!

Os encarnados eram a melhor e a mais produtiva equipa sobre o relvado. Confortáveis com bola, deram show aos 29': após uma série de passes entre os jogadores, Everton (grande exibição!), de calcanhar, executou a sua nona assistência na Liga NOS, embalando Pizzi para uma conclusão de classe (6.º golo do camisola 21 neste Campeonato). Celebrava-se o 2-0 na Luz.

Dérbi

Depois da bola corrida, a bola parada a inspirar o aumento da contagem. Pizzi (segunda assistência no dérbi, quarta na Liga NOS 2020/21) cobrou um canto sobre o lado esquerdo do ataque e, na zona de pequena área, Lucas Veríssimo superiorizou-se no duelo aéreo, cabeceando com força e colocação para dentro da baliza verde e branca. Era o segundo golo de águia ao peito do central recém-chamado à seleção do Brasil, estava feito o 3-0!

Quando já se contavam os segundos para o encerramento da primeira parte, Pedro Gonçalves gozou de alguma liberdade à entrada da área, teve espaço e rematou de pé esquerdo para o 3-1.

O regresso dos balneários foi positivo para as águias, que voltaram a manifestar ambição e vontade de marcar mais golos para alargar a vantagem. Grimaldo, ao minuto 48, pressionou na frente, ganhou a dividida com Matheus Nunes e foi derrubado na área. Penálti para o Benfica, o segundo assinalado ao cabo de 33 jornadas nesta Liga NOS!

Festejos

A missão de converter o castigo máximo foi confiada a Seferovic e este foi exemplar, enganando o guarda-redes Adán (4-1).

O internacional suíço tem agora 20 golos no Campeonato e lidera a lista dos goleadores a uma ronda do fim da competição... em igualdade com Pedro Gonçalves, que também haveria de bisar neste dérbi, no período de reação dos verdes e brancos, do qual fez parte um remate ao poste efetuado por aquele atacante (52').

Dérbi

Na fase em que o Benfica não conseguiu ser controlador dos acontecimentos, o Sporting aproveitou a reduziu ao minuto 62. Assistido por Paulinho na área, Nuno Santos aplicou um remate meio acrobático de pé esquerdo e marcou o 4-2.

Os ataques sucediam-se e Grimaldo podia ter apontado o quinto golo benfiquista, dispôs de condições para visar com êxito as redes contrárias ao minuto 64. Não aconteceu.

Jorge Jesus, que já trocara Taarabt por Gabriel (53'), preparava duas alterações (entradas de Rafa e Nuno Tavares) quando Tiago Martins sancionou um pontapé de penálti contra o Benfica (76'), entendendo que Lucas Veríssimo cometeu uma infração no despique com Pedro Gonçalves no interior da área. O melhor marcador dos leões bateu a partir da marca dos 11 metros e mitigou o diferencial no resultado: 4-3 aos 78'.

O dérbi continuava elétrico, com as duas equipas a procurarem a baliza. Depois de uma boa defesa de Helton a remate de Pedro Gonçalves (79'), o Benfica (com Nuno Tavares e Rafa nos lugares de Diogo Gonçalves e Pizzi) lançou-se para nova sequência de ofensivas, em busca de um golo que reforçasse a sua posição no duelo.

Dérbi

Num ataque rápido, Rafa, aos 88', só não se isolou porque foi barrado pelo braço direito de Nuno Mendes. O árbitro Tiago Martins não interpretou assim, em prejuízo objetivo do Benfica.

As últimas alterações feitas por Jorge Jesus (Darwin e Waldschmidt renderam Seferovic e Everton aos 89') ajudaram a equipa a apertar o rival e, nos derradeiros lances, o quinto golo esteve para ser festejado aos 90'+1' (Waldschmidt) e aos 90'+4' (Rafa), mas, no último momento, a defensiva verde e branca (guarda-redes incluído) bloqueou os intentos. Logo a seguir, o apito de Tiago Martins soaria pela última vez na Luz, confirmando-se o triunfo das águias.

Na 34.ª ronda, a que remata a Liga NOS, o Benfica enfrenta o Vitória de Guimarães na Cidade-Berço, a meio da semana, sabendo desde o fim da noite deste sábado (em face da vitória do FC Porto no terreno do Rio Ave) que vai terminar a prova no 3.º lugar.

Até 50% Desconto em toda a Coleção Adidas

Texto: João Sanches
Fotos: Isabel Cutileiro e Tânia Paulo / SL Benfica
Última atualização: 15 de maio de 2021

Patrocinadores principais do Futebol


Utilizamos cookies para enriquecer a sua experiência de navegação.
Ao continuar a navegar no nosso site está a concordar com a nossa política de utilização de cookies.

Aceitar